Compartilhe

Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública, a carência de uma infraestrutura logística robusta e satisfatória deixa de ser uma novidade. Às vésperas de grandes eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, este artigo teve como objetivo retratar o cenário logístico brasileiro, comparando-o com referências internacionais como os Estados Unidos, a Europa e a China.

Evidencia-se o gap logístico do Brasil, que se agrava à medida que há um aumento na demanda por transporte de cargas, consequência direta da dinamiza- ção econômica. Outras regiões ao redor do mundo, por outro lado, encontram suas malhas de transporte saturadas em termos de utilização, e mesmo assim recebem investimentos relevantes em termos de representatividade. Aponta-se, portanto, para uma progressiva defasagem do país em relação à logística internacional de cargas. No entanto, diversos projetos e programas estão sendo desenvolvidos no sentido de mitigar o gap entre a oferta e a demanda brasileiras. Resta saber se estão sendo bem dimensionados frente ao expressivo crescimento das exigências logísticas do país.

Tomando-se uma análise histórica dos investimentos no setor de transporte, percebe-se que, enquanto China e Brasil aumentaram o valor investido de 2006 para 2010, na Europa houve uma redução desses investimentos, a partir de 2008. Esses números destacam o potencial de crescimento ainda existente na China e no Brasil, enquanto a Europa já apresenta malhas mais saturadas, o que faz com que o setor não seja mais um grande foco de investimentos no continente.

Continue lendo.

Artigos relacionados

Integração financeira na cadeia de suprimentos – Supply Chain Finance

Integração financeira na cadeia de suprimento...

Este artigo é parte do resultado alcançado por meio da pesquisa de Supply Chain Finance (SCF), que tem como tema “Integração Financ

A look at implementing the concept of financial integration in organizations’ supply chains

A look at implementing the concept of financi...

This article is part of the result achieved through the Supply Chain Finance (SCF) study, which has the theme “Financial Integration in

Ver todos